4.4.09

pedro mourão

dia 4

Numa versão bem diferente, a proposta de Pedro Mourão numa colecção forte e masculina.
Três selas de cavalo no inicio da passerelle sugeriam o contexto do que se iria observar.
Uma reinterpretação do preto, e dos trajes equestres.
Fatos, chapéus, peças em lã, um perfecto de cabedal e axadrezados, traduziam a nova imagem destes cavaleiros.

A apresentação da colecção, exclusivamente masculina, contou com a performance de duas modelos femininas, vestidas a rigor, com o cabelo apanhado em longos ponny tails.
Assim como na edição anterior, o desfile contou com a presença de jovens actores de uma serie juvenil mediática, e com o próprio coordenador de bastidores da Moda Lisboa!

ENTREVISTA

IS. Qual a mensagem que quis transmitir com esta coleção?
PM. Essencialmente a esperança para continuar a lutar no periodo de crise que estamos a atravessar, com encarnado à mistura da paixão, do coração, da vontade de vencer e de viver. A moda tem um papel quase inebriante em alguns momentos da vida, que nos ajuda a viver felizes e foi essa a mensagem que quis transmitir.

IS.O que representou para si em termos pessoais?

PM. Identifiquei-me muito com este trabalho, é muito dandy, muito inglês ao mesmo tempo... muito club. Tem uma silhueta muito elegante. Deu-me muito prazer fazer este trabalho! Dão todos, mas este, talvez por ser o último...!

IS.Quais são os elementos que mais a identificam?

PM. Peças equestres. Os casacos muito cintados, malhas muito compridas e esguias com blocos de cor, algumas referências à bauhause nos tais blocos de cor e de tecido diferentes. O tom brilho-mate.

IS.Como surge o ponto de partida para uma nova coleção?

PM. Não sei, não penso, há um clic que pode ser desencadeado por variadissimas coisas. Neste caso, fui influenciado por uma colecção de equitação que estou a desenvolver para a industria. Apaixonei-me por algumas peças! Há coisas muito bonitas que as pessoas não vêem porque normalmente estão nos concursos hípicos e que são perfeitamente traziveis para a rua, para o dia a dia.

Sem comentários: